Apresentação

O livro Liberdade de Expressão e Campanhas Eleitorais – Brasil 2018 é fruto de uma convivência e parceria mantida ao longo dos anos entre três instituições internacionais. Uma delas é o Núcleo de Apoio à Pesquisa Observatório de Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura da Universidade de São Paulo – OBCOM-USP, cujas atividades tiveram início em 2000, a partir do estudo do Arquivo Miroel Silveira, constituído de 6.137 processos de censura prévia ao teatro em São Paulo, de 1930 a 1970, que esteve sob guarda da Biblioteca da Escola de Comunicações e Artes da USP e que, hoje, abriga-se no Arquivo do Estado de São Paulo. A partir do estudo da censura estatal criada e praticada no Brasil até 1988, quando a nova Constituição a aboliu, inúmeros pesquisadores, em diferentes graus acadêmicos têm se dedicado ao estudo das formas de interdição do livre pensar e comunicar de ideias.

Outra dessas parceiras é o Instituto Palavra Aberta, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, sediado em São Paulo, que tem por finalidade o fomento da educação e da cultura e a defesa da liberdade de expressão através de debates, simpósios, conferências e parcerias com instituições do setor público e privado, contribuindo para o fortalecimento da democracia. O IPA atua com recursos de seus associados, empresas e associações ligadas às comunicações.

A terceira instituição parceira é o ICNOVA – Instituto de Comunicação da Nova, unidade de investigação no domínio das Ciências da Comunicação, em Portugal, sediado na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa (Lisboa), resultante da integração de outros grupos de pesquisa, entre as quais o CIMJ – Centro de Investigação, Media e Jornalismo e CIC Digital. O ICNOVA desenvolve uma agenda nacional e internacional que o fez estabelecer convênio no Brasil para o desenvolvimento do presente projeto.

Essas três instituições, interessadas na defesa da liberdade de expressão, assinaram convênio em 2018 para a realização de pesquisa intitulada Campanhas Eleitorais e Liberdade de Expressão 2018-2019, visando o levantamento das propostas a esse respeito pelos candidatos que se apresentam nas eleições presidenciais brasileiras, em 2018, e para as eleições legislativas, em Portugal, em 2019. A partir de matérias publicadas em veículos de grande circulação, no Brasil e em Portugal, pretende-se analisar os debates, as propostas, as críticas e os programas eleitorais envolvendo processos de censura e interdição da comunicação e a defesa da liberdade de expressão.

Cientes de que o século XXI tem transformado a sociedade com o desenvolvimento de tendências como a Globalização e a Revolução Digital, a Informatização e o Neoliberalismo, a pesquisa pretende investigar as transformações que ocorrem no campo da comunicação e no conflito de interesses e jogo de poder envolvendo a livre circulação de mensagens e informações, levando-se em conta o estabelecimento das redes sociais e de mecanismos inéditos de controle social.

Para o desenvolvimento da investigação, formaram-se dois grupos de pesquisadores, um em Portugal, liderado pelo Prof. Dr. Rui Cádima e pela Profa. Dra. Isabel Ferin da Cunha, ambos do ICNOVA, e outro no Brasil, liderado pela Profa. Dra. Maria Cristina Castilho Costa, Coordenadora do OBCOM-USP e docente da Escola de Comunicações e Artes da USP, e pela Presidente do IPA, a gestora e comunicadora Patrícia Blanco. A Coordenação Geral da investigação ficou a cargo da Profa. Dra. Maria Cristina Castilho Costa e do Prof. Dr. Walter de Sousa Jr, Pesquisador Colaborador do OBCOM-USP. Houve ainda assistência administrativa da Mestre Jacqueline Pithan, pertencente ao OBCOM-USP, e Saula Ramos, do IPA.

A equipe de pesquisadores sediada na Escola de Comunicações e Artes da USP foi constituída pelos especialistas em Educomunicação André Bueno e Myrian Clark, pelos Mestres Jacqueline Pithan, José Esteves Evangelides, José Ismar Petrola e Luciano Somenzari, todos membros do OBCOM-USP. A metodologia utilizada constituiu-se da leitura de 2.500 matérias publicadas nos jornais Folha de S. Paulo, Estado de S. Paulo, O Globo, revistas Veja e Carta Capital, portais UOL e Poder 360, entre 1º de agosto a 30 de novembro de 2018. As notícias foram clippadas por uma agência a partir das palavras liberdade de expressão, liberdade de imprensa, fake news, redes sociais e educação. Em Portugal, o grupo liderado pelo ICNOVA leu as notícias publicadas nos jornais de grande circulação.

O grupo de pesquisa foi dividido em duplas que se dedicaram à leitura e análise de um desses quatro eixos temáticos. Através de método indutivo e de análise de conteúdo, as notícias foram agrupadas em tendências e, em reuniões quinzenais, foram debatidas pelo conjunto de pesquisadores, com o objetivo de interpretar os discursos que se evidenciavam no material coletado e estudado. As tendências observadas foram constituindo um quadro referencial de abordagem dos temas escolhidos. André Bueno, o fotógrafo integrante do grupo se incumbiu da leitura das imagens que ilustravam as matérias e seu texto traz as conclusões a respeito dessa interpretação iconológica.

As análises assim empreendidas procuraram reconstruir duas tendências discursivas: a dos candidatos para seus eleitores e a da imprensa para seus leitores. Os dois discursos assim apreendidos procuraram dar conta de diferentes movimentos conjunturais que influenciaram tanto o que os meios de comunicação falaram a seu público como o que os candidatos disseram a seus eleitores. Trata-se portanto de um estudo sobre o discurso a respeito dos fatos e não sobre os fatos em si mesmos. O resultado é um conjunto de representações que expressam a maneira como jornalistas, articulistas e comentaristas interpretam as propostas, atitudes e programas dos candidatos a respeito de questões direta ou indiretamente ligadas à liberdade de expressão e como as divulgam para seus leitores. Essas matérias, portanto, expressam dois vieses discursivos: aquilo que os candidatos desejam que seus eleitores ouçam e aquilo que a imprensa deseja que seu público entenda desse discurso.

Essa pesquisa contou com recursos humanos e financeiros da Universidade de São Paulo (USP), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), do Instituto Palavra Aberta – IPA, e do Observatório de Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura – OBCOM-USP. As análises propiciadas por esta pesquisa foram complementadas pelos estudos teóricos de autores das Ciências Humanas e Ciências da Comunicação e suas referências se encontram nos diversos capítulos deste livro, que traz os resultados da primeira etapa dessa pesquisa internacional – a Fase 1 que corresponde à análise referente as campanhas eleitorais brasileiras. A Fase 2 – correspondente às eleições legislativas portuguesas se desenvolverá a partir do segundo semestre de 2019.

Esperamos ter construído um cenário explicativo das questões em jogo no que tange à liberdade de expressão, tendo mostrado que mais do que um direito individual, ela tem se tornado um dos pilares para o debate em torno da democracia, da justiça social e da possibilidade de nos darmos conta das circunstâncias a partir das quais definimos nossa ação como sujeitos, indivíduos e cidadãos. Esperamos vocês para enriquecer esse debate.

 



Notas

[←1]

Professora Titular da Escola de Comunicações e Artes da USP e coordenadora do Observatório de Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura da ECA-USP.

[←2]

Sócrates foi julgado e condenado no século V a.C. por sua atitude crítica em relação à cidade de Atenas, que se reconstituía após a derrota na Guerra do Peloponeso. Platão, seu principal discípulo, registrou nessa obra, em forma de diálogo, o que teria sido esse acontecimento. Provavelmente, querendo alertar os atenienses em relação ao que pode suceder com quem expressa seus pensamentos, criou o mais conhecido libelo em favor da liberdade de expressão.

[←3]

Apologia de Sócrates. Tradução de Maria Lacerda de Souza. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/270801/mod_resource/content/1/platao%20apologia%20de%20socrates.pdf>. Acesso em: 7 fev 2018.

[←4]

Idem.

[←5]

BRAGA, Adriana. Microcelebridades – entre meios digitais e massivos. Revista Contracampo – PPGCOM UFF, n. 21, 2010.

[←6]

Partido Social Liberal, de pequeno porte, que aglutinou as forças direitistas nas eleições de 2018 em confronto com o Partido dos Trabalhadores, na presidência da República entre 2002 e 2016.

[←7]

CAMPOS, João Pedroso de. Em carta, FHC pede união de presidenciáveis contra candidatos radicais. Veja, 20/9/2018.

[←8]

Idem.

[←9]

DOMINGOS, João. A paz necessária. O Estado de S. Paulo, 8/9/2018.

[←10]

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

[←11]

Insatisfação difusa leva antiglobalismo ao poder. O Globo, 25/11/2018.

[←12]

PT deveria criar comissão da verdade para avaliar erros, diz Noan Chomsky. UOL, 20/9/2018.

[←13]

TOLEDO, Roberto Pompeu. A democracia: entre a luz e as trevas. Veja, 23/9/2018.

[←14]

Brexit é uma palavra formada por duas outras palavras inglesas Britain (Grã Bretanha) e exit, que significa saída. Ela designa a proposta da Grã Bretanha deixar a União Europeia, vitoriosa no referendo de 23 de junho de 2016. Desde então, o tema é debatido no Parlamento com grande discórdia entre políticos e implica em uma atitude ao mesmo tempo protecionista e nacionalista encabeçada pelo Partido Conservador.

[←15]

FUNDADOR, Rubens Menin. Mais 200 mil empregos no Brasil. Folha de S. Paulo, 24/9/2018.

[←16]

Idem.

[←17]

Ibidem.

[←18]

ABRÃO, Ana Carla. Em nome de Deus. O Estado de S. Paulo, 18/9/2018.

[←19]

ABRÃO, Ana Carla. Teto de vidro. O Estado de S. Paulo, 11/9/2018.

[←20]

JORGE, Mariliz Pereira. Entre a cruz e a calderinha. Folha de S. Paulo, 20/9/2018.

[←21]

CANTANHÊDE, Eliane. Indignação. O Estado de S. Paulo, 4/9/2018.

[←22]

PASSARINHO, Nathalia. Museu Nacional: fiação exposta, gambás e cupins entre os alertas ignorados que anunciavam tragédia. UOL, 3/9/2018.

[←23]

UOL vai checar viabilidade de promessas dos candidatos à Presidência. UOL, 23/8/2018.

[←24]

Uberização do trabalho é o termo utilizado para designar as novas relações produtivas que substituem o emprego formal do trabalhador assalariado. Em vez desse contrato que regula horário, objetivos, remuneração, temos uma organização do trabalho precária, que coloca o funcionário como prestador de serviço diante de uma clientela com a qual se relaciona através de um aplicativo eletrônico. Os trabalhadores envolvidos nesse capitalismo chamado de Plataforma não constituem uma categoria, mas profissionais autônomos concorrentes entre si. A palavra vem da empresa/aplicativo de celular UBER que criou esse sistema de prestação de serviços para motoristas.

[←25]

SOUTO, Luiza. Vereadora que levou coworking para Câmara já foi agredida e é contra aborto. UOL, 24/11/2018

[←26]

O cantinho do castigo. O Globo, 26/11/2018.

[←27]

ZAREMBA, Júlia. Guru de Bolsonaro diz que não há intelectuais da esquerda de seu nível. Folha de S. Paulo, 28/11/2018.

[←28]

REIF, Laura. Mulher trans tem atendimento negado em clínica de bronzeamento no Rio. UOL, 30/11/2018.

[←29]

A Folha recebe troféu de Mídia do Ano. Prêmio Aberje. Folha de S. Paulo, 27/11/2018.

[←30]

GENTILE, Rogério. Críticas à OAB-SP são injustas, diz candidato que tenta reeleição. Folha de S. Paulo, 27/11/2018.

[←31]

Quase 70% das pessoas não distingue notícias falsas, segundo projeto Comprova. UOL, 09/11/2019.

[←32]

MOURA, Rafael Moraes. STF veta ação policial em universidades. O Estado de S. Paulo, 01/11/2019.

[←33]

País tem 41 casos de agressão à liberdade de ideias em 1 ano. Folha de S. Paulo, 04/11/2018.

[←34]

Universidade de Coimbra, Faculdade de Letras. Coordenadora do ICNOVA – Instituto de Comunicação da Nova, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa (Lisboa).

[←35]

Professor Doutor pela ECA-USP e Professor Colaborador do Observatório de Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura da ECA-USP.

[←36]

HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos – O breve século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 1994, p. 224.

[←37]

Idem, ibidem.

[←38]

Idem, pp. 237 e 238.

[←39]

BANDEIRA, Luís Alberto Moniz. Geopolítica e política exterior – Estados Unidos, Brasil e América Latina. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2010, p. 11.

[←40]

IANNI, Octavio. A era do globalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999, p.13.

[←41]

BANDEIRA, Luís Alberto Moniz. Op. cit., p. 13.

[←42]

IANNI, Octavio. Op. cit., p. 39.

[←43]

TOTA, Antonio Pedro. O amigo americano – Nelson Rockefeller e o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2014, p. 30.

[←44]

Idem, ibidem.

[←45]

ROOSEVELT, Theodore. Nas selvas do Brasil. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1976, p. 122.

[←46]

SAUNDERS, Frances Stonor. Quem pagou a conta? – A CIA na Guerra Fria da cultura. Rio de Janeiro: Record, 2008.

[←47]

SOUSA JUNIOR, Walter de. Guerra Fria cultural no Brasil: a tradição da censura estatal e os novos métodos de “inteligência”. Relatório de pós-doutoramento apresentado à Escola de Comunicações e Artes da USP. 2017, p. 85.

[←48]

BANDEIRA, Luís Alberto Moniz. Op. cit., p. 53.

[←49]

Idem, ibidem, p. 61.

[←50]

WETTERMAN, Daniel. PT diz que Lula disputará eleições mesmo com registro indeferido pelo TSE. UOL, 15/08/2018.

[←51]

KRAMER, Dora. Lorota não tem ideologia. Veja, 19/8/2018.

[←52]

GHIROTTO, Edorado e PEREIRA, Daniel. O susto é geral. Veja, 26/8/2018.

[←53]

BROMATTI, Daniel. Bolsonaro tira do PSDB domínio do voto anti-PT. O Estado de S. Paulo, 16/09/2018.

[←54]

FT vê batalha entre extremos da direita e da esquerda: o que diz a imprensa de fora sobre as eleições. UOL, 3/10/2018.

[←55]

Haddad acusa Bolsonaro de abraçar nazismo. UOL, 12/10/2018.

[←56]

AMENDOLA, Gilberto. Bolsonaristas versus Haddadistas: bolhas não se conversam no 2º turno. UOL, 14/10/2018.

[←57]

MAIA, Gustavo. Máquina podre de corrupção está em jogo, não a democracia, afirma Bolsonaro. UOL, 27/10/2018.

[←58]

NOSSA, Leonêncio e REZENDE, Constança. Presidenciável do PSL questiona resultado e lisura das urnas. O Estado de S. Paulo, 8/10/2018.

[←59]

REZENDE, Constança. Bolsonaro diz que não aceita derrota como resultado. O Estado de S. Paulo, 29/09/2018.

[←60]

Bastam um soldado e um cabo para fechar STF, disse filho de Bolsonaro em vídeo. Folha de S. Paulo, 21/10/2018.

[←61]

MANSO, Bruno Paes. As milícias dos cidadãos de bem, Folha de S. Paulo, Ilustríssima, 21/10/2018.

[←62]

Apontado pelos candidatos da direita como sendo um foco de disseminação do comunismo na América Latina, o Foro de São Paulo é uma organização fundada em 1990 da qual fazem parte cerca de cem partidos de esquerda do continente latino e do Caribe com o objetivo de combater o neoliberalismo.

[←63]

Idem. Referência ao teórico italiano Antonio Gramsci, que defende o conceito de hegemonia politica como conquista não pela força, mas pela adesão voluntária a uma ideia política ou a um partido.

[←64]

Ibidem.

[←65]

Ataques de presidente eleito à imprensa chegaram a 10 por semana em outubro. Folha de S. Paulo, 4/11/2018.

[←66]

O velho, de novo (editorial). Folha de S. Paulo, 21/08/2018.

[←67]

LIMA, Daniel. Na ponta dos dedos. Folha de S. Paulo, 8/09/2018.

[←68]

FERGUSSON, Niall. Redes x democracia. Veja,14/10/2018.

[←69]

Idem.

[←70]

CABALLERO, Manuel. O novo glossário político de 2018. O Globo, 28/10/2018. O ponto 4 justificaria a ascensão de Haddad em tão pouco tempo de campanha.

[←71]

Outra candidata, Vera Lúcia Salgado, do Partido Socialista dos Trabalhados Unificado (PSTU), sem experiência em candidaturas presidenciais, obteve 55,7 mil votos. Marina Silva foi candidata em 2010, obtendo 19 milhões de votos e em 2014, com 22 milhões de votos.

[←72]

CAFARDO, Renata, LAGO, Cecilia do e BRAMATTI, Daniel. Divisão de gênero nunca foi tão acentuada. O Estado de S. Paulo, 30/9/2018.

[←73]

ALBUQUERQUE, Ana Luiza, BARONE, Julia e LINHARES, Carolina. Bancada feminista cresce e promete oposição a conservadores. Folha de S. Paulo, 14/10/2018.

[←74]

Para artista visual, é sinal de machismo afirmar que ato de mulheres favoreceu candidatura de capitão reformado. Folha de S. Paulo, 6/10/2018.

[←75]

O movimento pentecostal surgiu no início do século XX e se baseia na cura pela oração como dom espiritual legado pelo Espirito Santo. No Brasil a de maior destaque é a Assembleia de Deus, surgida nos Estados Unidos em 1914 e que aqui chegou quatro anos depois. A partir dessa vertente protestante surge na década de 1950 o neopentecostalismo, sempre vinculada a um pregador de projeção midiática e voltada à prosperidade na vida terrena. A maior representante dessa corrente evangélica no Brasil é a Igreja Universal do Reino de Deus, fundada em 1977, no Rio de Janeiro. Outras igrejas neopentecostais de expressão no Brasil são: Renascer em Cristo, Sara Nossa Terra, Bola de Neve e Comunidade da Graça.

[←76]

Leia a integra do discurso da vitória de Jair Bolsonaro. Poder 360, 28/10/2018.

[←77]

MACHADO, Leandro e FRANCO, Luíza. Os valores e boatos que conduzem (ou não) os evangélicos a Bolsonaro. UOL, 23/10/2018.

[←78]

Idem.

[←79]

GHIROTTO, Edoardo e GONÇALVES, Eduardo. Quem vai trair quem. Veja, 30/9/2018.

[←80]

LANDIM, Raquel. Recuso-me a aceitar que o governo Bolsonaro não vai falar com a indústria. Folha de S. Paulo, 25/11/2018.

[←81]

OTA. Lu Aiko, NUNES, Fernanda e BATISTA, Renata. Exportador teme ações de novo governo. O Estado de S. Paulo, 17/10/2018.

[←82]

Insatisfação difusa leva antiglobalismo ao poder. O Globo, 25/11/2018.

[←83]

A Cambridge e os dados de 77 milhões de brasileiros. Veja, 2/9/2018.

[←84]

Idem.

[←85]

BENEVIDES, Bruno. Russos tentaram intervir em eleição brasileira. Folha de S. Paulo, 5/10/2018.

[←86]

MELLO, Patrícia Campos e NEWTON, Gregg. Trump e Bolsonaro ‘matam’ os mensageiros da mídia tradicional. Folha de S. Paulo, 9/10/2018.

[←87]

Difusão de notícias falsas no Brasil não tem precedentes, diz OEA. Poder 360, 25/10/2018.

[←88]

NEVES, Lucas e ZAREMBA, Júlia. Trump relata ‘conversa muito boa’ com Bolsonaro. Folha de S. Paulo, 30/10/2018.

[←89]

MELO, Luiz Alberto Bandeira de. Op. cit., pp. 73-74 e 76.

[←90]

Doutorando pela Escola de Comunicações e Artes da USP.

[←91]

JORGE FILHO, José Ismar Petrola. Jornalismo alternativo ontem e hoje: histórico e esboço de uma definição. Trabalho apresentado ao 16º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo. São Paulo: SBPJor, 2018.

[←92]

LIMA, Cláudia do Carmo Nonato. Jornalistas, blogueiros, migrantes da comunicação: em busca de novos arranjos econômicos para o trabalho jornalístico com maior autonomia e liberdade de expressão. Tese de Doutoramento São Paulo: ECA-USP, 2015, p. 21.

[←93]

BOYD, D.; ELLISON, N. Social network sites: Definition, history, and scholarship. Journal of Computer-mediated Communication, 13(1), article 11, 2007. Disponível em: < https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/j.1083-6101.2007.00393.x>. Acesso em: 31 jan 2019.

[←94]

Disponível em: <https://apublica.org/>.

[←95]

Disponível em: <https://www.facebook.com/jornalistaslivres/>.

[←96]

Disponível em: Facebook: <https://www.facebook.com/revistaazmina/>; Twitter: <https://twitter.com/revistaazmina>; Site: <https://azmina.com.br/>.

[←97]

Disponível em: <https://apublica.org/mapa-do-jornalismo/>.

[←98]

BITTENCOURT, Maíra. O príncipe digital. Curitiba: Appris, 2016, p.181.

[←99]

WhatsApp tenta combater “fake news. O Estado de S. Paulo, 11/08/2018.

[←100]

ELLWANGER, Tiana Maciel. Manifestações de Junho de 2013: Como experienciamos, esquecemos e lembramos na contemporaneidade. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: ECO-UFRJ, 2017.

[←101]

ALLCOTT, Hunt e GENTZKOW, Matthew. Social media and fake news in the 2016 election. Journal of Economic Perspectives, volume 31, n. 2, primavera 2017, pp. 211-236. Disponível em <https://pubs.aeaweb.org/doi/pdfplus/10.1257/jep.31.2.211 >. Acesso em: 15 fev 2019.

[←102]

ALLCOTT, Hunt e GENTZKOW, Matthew. Op. Cit., p. 224.

[←103]

Conferir KUCINSKI, Bernardo. Jornalistas e revolucionários: nos tempos da imprensa alternativa. São Paulo: Edusp, 2003, p. 77; e PERUZZO, Cicilia M. Krohling. Aproximações entre a comunicação popular e comunitária e a imprensa alternativa no Brasil na era do ciberespaço. Revista Galáxia, São Paulo, n. 17, p. 131-146, jun. 2009.

[←104]

BRAGA, Adriana. Microcelebridades – entre meios digitais e massivos. Revista Contracampo – PPGCOM UFF, n. 21, 2010.

[←105]

COSTA, Cristina. No que você está pensando? – Redes sociais e sociedade contemporânea. Revista USP, (92), 86-99. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i92p86-99>.

[←106]

Comprova: Foto de incisão no abdome de Jair Bolsonaro é verdadeira. Poder 360, 11/09/2018.

[←107]

A eleição que transformou a política brasileira. UOL, 29/10/2018.

[←108]

Candidatos à Presidência usam só 9% dos recursos de mídia na Internet. Poder 360, 18/9/2018.

[←109]

Comprova: Vídeo que faz acusação de fraude em urnas eletrônicas é enganoso. Poder 360, 26/09/2018.

[←110]

Comprova: Adélio esteve na Câmara; não se sabe se visitou deputados do Psol. Poder 360, 18/9/2018.

[←111]

Comprova: Mamadeiras eróticas não foram entregues em creches pelo PT. Poder 360, 28/9/2018.

[←112]

Comprova: Haddad não disse que governo deve decidir o gênero das crianças. Poder 360, 25/9/2018.

[←113]

As milícias dos cidadãos de bem. Folha de S. Paulo, 21/10/2018.

[←114]

PASSOS, Paulo. Metade acredita em notícias no WhatsApp. Folha de S. Paulo, 26/10/2018.

[←115]

Folha pede ao TSE que PF investigue ameaças a profissionais. Folha de S. Paulo, 24/10/2018.

[←116]

A um dia da eleição, Bolsonaro defende obediência à Constituição. UOL, 27/10/2019.

[←117]

SÁ, Nelson de. Controvérsia lembra debate sobre impacto de redes sociais em eleições atuais.Folha de S. Paulo, 30/10/2018.

[←118]

Desespero – Editorial. O Estado de S. Paulo, 19/10/2018.

[←119]

O triunfo dos idiotas. Carta Capital. 28/10/2018.

[←120]

AMORIM, Felipe. Fux compara propaganda de Dilma contra Marina em 2014 a fake news. UOL, 13/8/2018.

[←121]

TSE falha no combate à proliferação de fake news na campanha do 1ª turno. Folha de S. Paulo, 6/10/2018.

[←122]

A saber, o projeto 473/2017, do senador Ciro Nogueira (PP-PI), o projeto 6812/2017, do deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), o projeto 8592/2017, do deputado Jorge Côrte Real (PTB-PE).

[←123]

Apesar de limbo legal, fake news podem dar multa e processo a quem envia. UOL, 6/10/2018.

[←124]

WhatsApp entra na mira de conselho do TSE. O Globo, 15/10/2018.

[←125]

Candidato pode ser punido se foi beneficiado, dizem especialistas. Folha de S. Paulo, 19/10/2018.

[←126]

RUEDIGER, Marco Aurélio. Redes são o novo normal na política. Folha de S. Paulo, 23/10/2018.

[←127]

BLOTTA, Vitor de Souza Lima. Privacidade e Liberdade de Informação em Tempos de Antagonismos de Direitos Humanos: a ladeira escorregadia para o dilema do limite legal. Texto apresentado ao XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Rio de Janeiro: Intercom, 2015.

[←128]

JORGE FILHO, José Ismar Petrola. Liberdade de Expressão e Privacidade em Disputa na Regulação da Imprensa. Trabalho apresentado ao 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Joinville (SC): Intercom, 2018.

[←129]

BUCCI, Eugenio. Mussolini, quem diria, tinha mais educação. O Estado de S. Paulo, 25/10/2018.

[←130]

ROSSI, Amanda. Empresas que permitem disseminação de fake news devem ser multadas, diz um dos principais teóricos sobre a relação entre política e tecnologia. UOL, 3/11/2018.

[←131]

Doutorando em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), pesquisador do Observatório de Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura (OBCOM) da USP e coordenador do Programa Memória-História Oral da Fundação Arquivo e Memória de Santos.

[←132]

CUNHA, Isabel Ferin. “A globalização da crise: contextos regionais e a questão do ‘populismo mediático’”. In: COSTA, Maria Cristina Castilho, BLANCO, Patrícia (Orgs.). Pós-tudo e a crise da democracia. São Paulo: Palavra Aberta, 2018, pp. 63-64).

[←133]

MARCONDES FILHO, Ciro. O capital da notícia. São Paulo: Ática, 1986., p. 174.

[←134]

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013, pp. 15-16.

[←135]

ABRANCHES, Sérgio. A Era do Imprevisto: a grande transição do século XXI. São Paulo: Companhia das Letras, 2017, p. 106-107.

[←136]

CUNHA, Isabel Ferin. Op. cit., p. 71.

[←137]

CASTELLS, Manuel. Op. cit., p.11.

[←138]

Idem, p. 23.

[←139]

Ibidem, p. 182

[←140]

BAUDRILLARD, Jean. Para uma crítica da economia política do signo. São Paulo: Martins Fontes, s.d., pp.221-222.

[←141]

MARCONDES FILHO, Ciro. Op. cit., pp. 51-52.

[←142]

Idem, p. 46.

[←143]

RIESMAN, 1971, p. 257, apud MARCONDES FILHO, Ciro. Op. cit., p. 46.

[←144]

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997, p. 20.

[←145]

LIPOVETSKY, Gilles e SERROY, Jean. A estetização do mundo: Viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 27-37.

[←146]

Idem, p. 376.

[←147]

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Edição revista e actualizada. Lisboa: Edições 70, 2009, p. 123.

[←148]

84% usam imprensa para se informar em eleições, diz pesquisa. Folha de S. Paulo, 6/8/2018.

[←149]

AZEVEDO, Guilherme. Ataque fortalece campanha e legitima propostas de Bolsonaro, diz socióloga. UOL, 7/9/2018.

[←150]

Idem.

[←151]

CABALLERO, Miguel. 85% acham que “fake News” influenciam eleição. O Globo, 11/9/2018.

[←152]

RODRIGUES, Anna Carolina. O valor da mentira. Veja 50 anos, 23/9/2018.

[←153]

SÁ, Nelson de. Mídia social suplanta TV e expõe “fraturas na democracia”, diz FT. Folha de S. Paulo, 28/9/2018.

[←154]

CARPANEZ, Juliana. O caminho da notícia falsa que acabou em morte em Guarujá. Folha de S. Paulo, 29/9/2018.

[←155]

MARTINS, Rodrigo. Bala de prata ou bala perdida? Carta Capital, 30/9/2018.

[←156]

FT vê batalha entre extremos da direita e da esquerda: o que diz a imprensa de fora sobre as eleições. UOL, 3/10/2028.

[←157]

GRAGNANI, Juliana. Fake news na eleição: uma semana dentro de 272 grupos políticos no WhatsApp. UOL, 6/10/2018.

[←158]

FRANCO, Bernardo Mello. A eleição da incerteza. O Globo, 7/10/2018.

[←159]

ROCHA, André Ítalo. Abraji registra pelo menos 130 agressões a profissionais da comunicação. UOL, 7/10/2018.

[←160]

Bolsonaro representa a tirania da maioria, diz artigo do Le Figaro. UOL, 10/10/2018.

[←161]

DORIA, Pedro. WhatsApp faz do Brasil case mundial. O Estado de S. Paulo, 19/10/2018.

[←162]

PASSOS, Paulo. Metade acredita em notícias no WhatsApp. Folha de S. Paulo, 26/10/2018.

[←163]

Saiba o que Bolsonaro e aliados falam sobre imprensa nas redes sociais. Poder 360, 27/10/2018.

[←164]

HOUS, Débora Sögur e BRANDINO, Géssica. Fala de Bolsonaro sobre Folha é alvo de repúdio de entidades. Folha de S. Paulo, 31/10/2018.

[←165]

Notícia, análise e humor na campanha. O Globo, 1/11/2018.

[←166]

Ataques de presidente eleito à imprensa chegaram a 10 por semana em outubro. Folha de S. Paulo, 4/11/2018.

[←167]

Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

[←168]

CARNEIRO, Julia Dias. Os jovens sem trabalho e estudo que serão desafio para próximo presidente. UOL, 6/10/2018.

[←169]

O Insper (Instituto de Ensino e Pesquisa) é um instituto de ensino superior que oferece cursos em Negócios, Economia, Direito e Engenharia. Foi criado em São Paulo em 1999, derivado do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais.

[←170]

CASEMIRO, Luciana. Plano de Saúde: Usado por 1 em cada 5 brasileiros, serviço fica à margem do debate. O Globo, 13/10/2018.

[←171]

HOUS, Débora Sögur e PASSOS, Paulo. Internet supera TV em influência na eleição. Folha de S. Paulo, 7/10/2018.

[←172]

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura; v1. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

[←173]

DANTAS, Marcos. Mais-valia 2.0: Produção e apropriação de valor nas redes do capital. Revista Eptic Online Vol.16 n.2 p.89-112 mai-ago 2014.

[←174]

Idem, p. 89.

[←175]

BATELLE, John. A busca (como o Google e seus competidores reinventaram os negócios e estão transformando as nossas vidas). São Paulo, SP: Elsevier/Campus, 2006.

[←176]

DANTAS, Op. cit., p. 89.

[←177]

MORAN, José Manuel, MASETTO Marcos T. e BEHRENS Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, SP: Papirus, 2000, p. 52.

[←178]

MARCONDES FILHO, Ciro. Ser Jornalista: o desafio das tecnologias e o fim das ilusões. São Paulo: Paulus, 2009, p. 176.

[←179]

Estudo explica por que as pessoas acreditam em fake news. UOL, 14/8/2018.

[←180]

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, UNESCO, 2000, p. 22.

[←181]

Comprova: comparação de propostas de Bolsonaro e Haddad tem pontos distorcidos. Poder 360, 11/10/2108.

[←182]

Um projeto que reúne 24 diferentes veículos de comunicação brasileiros para descobrir e investigar informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas durante a campanha presidencial de 2018. Disponível em: <https://projetocomprova.com.br/>. Acesso em: 25 jan 2019.

[←183]

STRUCK, Jean-Philip. Nazismo é de esquerda: brasileiros criam debate que não existe na Alemanha. UOL. 17/9/2018.

[←184]

BOTELHO, Margarida, JERÓNIMO, Pedro e MOREIRA, Lúcia Freitas. A expansão do infoentretenimento nos media portugueses em tempo de eleições. In Revista Estudos de Jornalismo, número 3, fev. 2015, os 33-47. Disponível em <https://www.academia.edu/1093220/A_expans%C3%A3o_do_info-entretenimento_nos_media_portugueses_em_tempo_de_elei%C3%A7%C3%B5es> Acesso em: 28/01/2019.

[←185]

Idem, apud. AGUIAR, Leonel Azevedo de. Entretenimento: valor-notícia fundamental. In Estudos em Jornalismo e Mídia, v. 5, n.o 1, 2008.

[←186]

BUCCI, Eugênio. Em torno da instância da imagem ao vivo. Revista Matrizes, ano 3, nº. 1, p.65-79, ago/dez 2009.

[←187]

ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

[←188]

Idem, p. 124.

[←189]

DEJAVITE, Fabia Angélica. INFOtenimento: informação + entretenimento no jornalismo. São Paulo: Paulinas, 2006, p. 72.

[←190]

Idem, p. 78.

[←191]

Pesquisa do ano 2018. GOOGLE TRENDS. Disponível em: <https://trends.google.com.br/trends/yis/2018/BR/>. Acesso em: 30 jan 2019.

[←192]

BUCCI, Eugenio. Sobre ética e imprensa. São Paulo: Companhia das Letras, 2000, p. 119.

[←193]

SERRA, Amanda. Trans ameaça dar nomes de ex-casos héteros que votam em Bolsonaro. UOL, 14/9/2018.

[←194]

Fora do país, Bruna Marquezine é criticada por se posicionar nas Eleições. UOL, 7/10/2018.

[←195]

Como as famosas se posicionaram nas eleições. UOL, 27/10/2018.

[←196]

Comprova: Ursal foi criado como ironia e alimenta teorias conspiratórias. Poder 360, 4/9/2018.

[←197]

Jornalista, especialista em Educomunicação pela ECA-USP e Mestranda pela ECA-USP.

[←198]

MATAIS, Andreza. Na TV, Jair Bolsonaro vai defender Lava Jato. O Estado de S. Paulo, 16/8/2018.

[←199]

SAFATLE, VLADIMIR. Dizer a verdade não basta. Desmonte final do sistema público de educação não é mais disfarçado. Folha de S. Paulo, 17/8/2018.

[←200]

CAFARDO, Renata. Notícia velha. O Estado de S. Paulo, 2/9/2018.

[←201]

Amoêdo, do Novo, quer testar vale educação em escolas privadas. Veja, 2/9/2018.

[←202]

Idem.

[←203]

CAFARDO, Renata. “Bolsonaro e Ciro seriam retrocesso”, diz Ana Maria Diniz. O Estado de S. Paulo, 9/8/2018.

[←204]

Idem.

[←205]

Ibidem.

[←206]

Minas terá a primeira candidata trans ao Senado. UOL, 12/8/2018.

[←207]

MDB, PTB, PDT, PT, DEM, PCdoB, PSB, PTC, PSDB, PSC, PMN, PRP, PPS, PV, Avante, PP, PSTU, PCB, PRTB, PHS, PSDC, PCO, Podemos, PSL, PRB, PSOL, PR, PSD, PPL, PEN, PROS, SD, Novo, Rede e PMB.

[←208]

Conheça a proposta dos presidenciáveis para a educação. Folha de S. Paulo, 29/9/2018.

[←209]

LIBÂNEO, José Carlos. O dualismo perverso da escolar pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. In Edição e Pesquisa, São Paulo, V38, n.1, p. 16, 2012

[←210]

Reproduzimos, ao final deste artigo, o quadro publicado pela Folha de S. Paulo com as propostas para a Educação onde constam as ideias dos cinco presidenciáveis líderes nas pesquisas. Folha de S. Paulo, 29/9/2018.

[←211]

SCHWARTZMAN, Simon. Ensino Médio sem aberração. O Globo, 12/8/2018.

[←212]

Idem.

[←213]

RAATZ, Luiz. Em programa de governo, Bolsonaro propõe ministério único na economia. UOL, 14/8/2018.

[←214]

O papel da universidade (Editorial). O Estado de S. Paulo, 4/10/2018.

[←215]

Idem.

[←216]

AGUIAR, Benedito Guimarães. PNE é política prioritária do Estado. O Estado de S. Paulo, 6/10/2018.

[←217]

FERNANDES, Talita. Bolsonaro propõe ensino a distância para combater marxismo e reduzir custos. Folha de S. Paulo, 7/10/2018.

[←218]

LOPES, A. Mal-estar na docência? Visões, razões e soluções. Porto: ASA, 2001, p. 7.

[←219]

MARCÍLIO, M.L. História da Escola em São Paulo e no Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2014, p. 411.

[←220]

Estatísticas dos Professores no Brasil, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP/MEC), 2003. Disponível em: <http://www.inep.gov.br/estatisticas/professor2003/>. 

[←221]

CITELLI, Adilson (org). Educomunicação. Imagens do professor na mídia. São Paulo: Paulinas, 2012, p. 16.

[←222]

ASSUNÇÃO, Ada Ávila et All, Educatel Brasil, Belo Horizonte, 2015. Disponível em:

<https://site.medicina.ufmg.br/nest/wp-content/uploads/sites/79/2018/07/A-pesquisa-Educatel.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2019.

[←223]

BETING, Graziella. Professor. Caderno Globo, 14/11/2018. Disponível em: <app.cadernosglobo.com.br>.

[←224]

MORIN, EDGAR. A cabeça bem feita: repensando a reforma – reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000, p. 65.

[←225]

Conheça as propostas dos presidenciáveis para a educação. Folha de S. Paulo, 29/9/2018.

[←226]

Mestrando em Ciências da Comunicação na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP.

[←227]

SILVA, Wagner Souza. Imagem e subjetividade: Narrativas fotográficas confessionais e a estética da afetividade, 2014.

[←228]

Idem, p.71-72.

[←229]

FLUSSER, Vilém. O universo das imagens técnicas: elogio da superficialidade. São Paulo: Annablume, 2008, p.14.

[←230]

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997, p.14.

[←231]

HALL, Stuart. Cultura e Representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016, p.24.

[←232]

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio século XXI: o dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

[←233]

HALL, Stuart. Op. Cit, p.24.

[←234]

FREUND, Giséle. La fotografia como documento social. Barcelona: Gustavo Gili, S.A. 1976, p.8.

[←235]

MACHADO, Arlindo. Pré-cinemas e pós-cinemas. Campinas: Papirus, 2002, p.222.

[←236]

Candidatura negada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

[←237]

Jair Bolsonaro, E Biografias. Disponível em <https://www.ebiografia.com/jair_bolsonaro/>. Acesso em: 30 jan 2019.

[←238]

Candidatos à Presidência: Álvaro Dias 19 (Podemos); Cabo Daciolo 51 (Patriota); Ciro Gomes 12 (PDT); Fernando Haddad 13 (PT); Geraldo Alckmin 45 (PSDB); Guilherme Boulos 50 (PSOL); Henrique Meirelles 15 (MDB); Jair Bolsonaro 17 (PSL); João Amoêdo 30 (Novo); João Goulart Filho 54 (PPL); José Maria Eymael 27 (Democracia Cristã); Marina Silva 18 (Rede) e Vera Lucia 16 (PSTU).

[←239]

Jornais Folha de S. Paulo, Estado de S. Paulo, O Globo, as revistas Veja e Carta Capital e os portais UOL e Poder 360.

[←240]

COSTA, Maria Cristina Castilho. Educação, Imagem e Mídias. São Paulo: Cortez, 2013, p. 92.

[←241]

DEBORD, Guy. Op. Cit, p.18.

[←242]

Idem, p.20.

[←243]

RUBIM, Antônio Albino C. Espetáculo, política e mídia, 2002, p.7. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt/pag/rubim-antonio-espetaculo-politica.pdf>. Acesso em: 8 jan 2019.

[←244]

FONTCUBERTA, Joan. O Beijo de Judas: fotografia e verdade. Barcelona: Gustavo Gili, 2010, p.120.

[←245]

CARNEIRO, Gabriel. Candidato meme”, Daciolo fica em 6º, à frente de Meirelles e Marina. UOL, 7/10/2018.

[←246]

PASSOS, Paulo. Alckmin vive risco de se juntar a minoria que desperdiçou horário de TV. Folha de S. Paulo, 20/9/2018.

[←247]

Ciro beija boneco de Padre Cícero no bairro do Saara. O Estado de S. Paulo, 13/9/2018.

[←248]

Ciro diz que é razoável que haja suspeitas sobre alguns institutos de pesquisa. Folha de S. Paulo, 21/9/2018.

[←249]

BOLDRINI, Angela. Com campanha enxuta, Marina Silva gasta R$ 67 mil em consultoria de moda. Folha de S. Paulo, 21/9/2018.

[←250]

Diferente de Bolsonaro, Haddad tinha um fotógrafo exclusivo em sua equipe de comunicação: Ricardo Stuckert o acompanhou ao longo de toda campanha. Boa parte das imagens produzidas por Stuckert foram publicadas primeiramente nas redes sociais e sites oficiais do candidato e posteriormente utilizadas pela imprensa, em especial uma muito replicada em diversos veículos, em que o candidato aparece segurando uma máscara do ex-presidente.

[←251]

Galeria de Fotos UOL. UOL, 12/10/2018. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/album/2018/10/07/segundo-turno-entre-jair-bolsonaro-psl-e-fernando-haddad-pt.htm#fotoNav=54>. Acesso em: 2 dez 2018.

[←252]

MARTINEZ, Mariana; GOES, Bruno e ROXO, Sérgio. Haddad cita Lula uma vez a cada 22 segundos. O Globo, 14/9/2018.

[←253]

BRASIL, Lauriberto. PT esperava que Temer se comportasse como ‘vice decorativo’ afirma Haddad. Poder 360, 8/8/2018.

[←254]

LOPES, Nathan e MARTINS, Leonardo. PT diminui Lula e a cor vermelha nos materiais de campanha de Haddad. UOL, 10/10/2018.

[←255]

Idem, ibidem.

[←256]

Idem, ibidem.

[←257]

Bolsonaro chuta boneco do ex-presidente Lula durante evento em Ceilândia (DF). Estado de S. Paulo, 6/9/2018.

[←258]

MOURA, Rafael Moraes e PUPO, Amanda. Bolsonaro fala em “fuzilar petralhada”; PT vai ao Supremo. O Estado de S. Paulo, 4/9/2018.

[←259]

“Liberdade” e “Deus” guiam discurso. O Estado de S. Paulo, 29/10/2018.

[←260]

Bolsonaro é esfaqueado em Minas; adversários repudiam atentado. Folha de S. Paulo, 7/9/2018. Bolsonaro é esfaqueado, passa por cirurgia e está na UTI. O Estado de S. Paulo, 7/9/2018. Bolsonaro sofre atentado a faca; presidenciáveis repudiam violência. O Globo, 7/9/2018.

[←261]

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio d`Água, 1991, p.35.

[←262]

SOARES, Jussara. Ausente no debate, Bolsonaro grava entrevista para TV. O Globo, 4/10/2018.

[←263]

Vale ressaltar que embora o presidenciável tenha passado a maior parte do tempo sob cuidados médicos, a opção de permanecer em casa, principalmente no final do segundo turno, foi tática visando sua não exposição na mídia. De acordo com Jussara Soares, em matéria para O Globo, em 21/10/2018, Bolsonaro não participou do debate na TV Globo por orientação médica, embora o cirurgião, por duas vezes, declarou ao jornal que o candidato “poderia ir ao debate se quisesse”. A matéria também acrescenta que ele optou, naquele momento, por fazer transmissões pela Internet, receber visitas, além de gravar com alguns veículos, como a TV Record e duas rádios no Nordeste, o que demonstra não só sua condição física, mas também sua preferência pela imprensa.

[←264]

CUNHA, Isabel Ferin. A globalização da Crise: contextos regionais e a questão do “populismo midiático”, in COSTA, Maria Cristina Castilho e BLANCO, Patrícia (Orgs.). Pós-Tudo e Crise da democracia. São Paulo: Palavra Aberta, 2018, p.67.

[←265]

BURMESTER, Cristiano Franco. Ficção e Fotografia-Imaginando a Realidade. Um estudo sobre as recentes transformações da fotografia documental e seus desdobramentos na arte, na comunicação e na educação. In: COSTA, Maria Cristina Castilho; BLANCO, Patrícia (Orgs.). Op. Cit., p.101.

[←266]

MATSUI, Naomi. Impulsionado pelas redes, Bolsonaro tenta romper hegemonia do PSDB e PT. Poder 360, 6/10/2018.

[←267]

Bolsonaro, já sentado, faz gesto que simula arma. O Estado de S. Paulo, 9/9/2018.

[←268]

MAIA, Gustavo. Bolsonaro acompanhará apuração de casa e fará pronunciamento via TV. UOL, 23/10/2018.

[←269]

Bolsonaro assiste a programa de comédia durante debate na Globo. Poder 360, 5/10/2018.

[←270]

MATSUI, Naomi. Impulsionado pelas redes, Bolsonaro tenta romper hegemonia do PSDB e PT. Poder 360, 6/10/2018.

[←271]

Idem, p.110.

[←272]

COSTA, Helouise e BURGI, Sergio. As Origens do Fotojornalismo no Brasil: um olhar sobre o Cruzeiro. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2012.

[←273]

Idem, p.124.

[←274]

Idem, p.105.

[←275]

Estratégias pelo voto de última hora. Bolsonaro busca eleitor pelas redes; Haddad foca em reduto Lulista. O Globo, 6/10/2018.

[←276]

Atos anti-Bolsonaro levam milhares às ruas. Folha de S. Paulo, 30/9/2018.

[←277]

Para desmerecer #EleNão, renasce o estereótipo da feminista “masculina”. Carta Capital, 6/10/2018.

[←278]

AMADO, Guilherme. #EleNão tem cinco vezes mais postagens que #EleSim. O Globo, 24/09/2018.

[←279]

ALENCASTRO, Catarina. Especialistas avaliam que crescimento de Bolsonaro revela limitações do #EleNão. O Globo, 2/10/2018.

[←280]

Idem, ibidem.

[←281]

ORTELLADO, Pablo. Estamos escutando. Folha de S. Paulo, 2/10/2018.

[←282]

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013, p.166.

[←283]

Idem, p.159.

[←284]

JENKINS, H. Youth Voice, Media, and Political Engagement. Introducing the Core Concepts. In: JENKINS, H., SHRESTHOVA, S., GAMBER-THOMPSON, L., & ZIMMERMAN, A. By any media necessary: The new youth activism. New York: Press, 2016, p.2. [Tradução do autor].

[←285]

GUIMARÃES, Ana Cláudia. Carlos Bolsonaro publica foto de mau gosto e diz que é resposta a grupo gay. O Globo, 26/09/2018.

[←286]

Mulheres farão atos hoje contra candidato do PSL. Folha de S. Paulo, 29/09/2018 e Atos anti-Bolsonaro levam milhares às ruas. Folha de S. Paulo, 30/09/2018.

[←287]

Vestido de Capitão, dono da Havan nega ter impulsionado mensagem contra o PT. Veja, 18/10/2018, e NASCIMENTO, Henrique. Personalidades se posicionam a favor e contra Jair Bolsonaro; veja quais. Veja, 1/10/2018.

[←288]

Madonna adere a movimento contra Bolsonaro: ‘Ele não vai nos calar’. Veja, 28/9/2018.

[←289]

Madonna também é #EleNão: “não vai nos calar”. Carta Capital, 28/9/2018.

[←290]

Luciano Hang. Instagram, 21/10/2018. Disponível em: <https://www.instagram.com/p/BpMw-1bAIUt/>. Acesso em: 3 fev 2019.

[←291]

Luciano.Hang. Instagram, 18/10/2018. Disponível em: <https://www.instagram.com/p/BpFr_KkARor/>. Acesso em: 3 fev 2019.

[←292]

JENKINS, H.. Op. Cit, p.37.

[←293]

DELLA PORTA, Donatella; DIANI, Mario. Social movements: an introduction. Malden, MA: Blackwell Publishing, 2006, p.93.

[←294]

TILLY, Charles, WOOD, J. Lesley. Los Movimientos Sociales, 1768 – 2008. Barcelona: Editorial Crítica, S. L.Diagonal, 2009, p.23.

[←295]

CASTELLS, Manuel. Op. Cit, p.159.

[←296]

Professor Doutor da Escola de Comunicações e Artes e vice-coordenador do Observatório de Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura.

[←297]

Lei 8.313 de 23 de dezembro de 1991. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8313cons.htm>. Acesso em: 14 fev 2018.

[←298]

COSTA, Cristina. “Em cena a censura”. Paper apresentado em mesa temático do Multicom – Colóquios Multitemáticos em Comunicação – XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Brasília, 2006.

[←299]

Ver, a esse respeito, o artigo do colunista Marcus Faustini, Não, a cultura não mama nas tetas. O Globo, 6/4/2016. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/cultura/nao-cultura-nao-mama-nas-tetas-19017971>. Acesso em: 10 jan 2019.

[←300]

Sobre o fechamento da exposição Queermuseu, ver: Veja imagens da exposição cancelada pelo Santander no RS. Veja, 11/9/2017. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/blog/rio-grande-do-sul/veja-imagens-da-exposicao-cancelada-pelo-santander-no-rs>. Acesso em: 15 nov 2018; Após protesto do MBL, Santander fecha exposição sobre diversidade. Veja, 12/9/2017. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/blog/rio-grande-do-sul/apos-protesto-do-mbl-santander-fecha-exposicao-sobre-diversidade>. Acesso em: 15 nov 2018.

[←301]

Sobre a performance La Bête, ver: O nu está em todos os museus do mundo e não deveria causar choque, diz curador do MAM. Carta Capital, 19/9/2017. Disponível em: <https://www.cartacapital.com.br/sociedade/o-nu-esta-em-todos-os-museus-do-mundo-e-nao-deveria-causar-choque-diz-curador-do-mam>. Acesso em: 31 out 2018; Após caso do MAM, políticos querem expandir regras de classificação etária. Folha de S. Paulo, 3/10/2017. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/10/1923783-apos-caso-do-mam-politicos-querem-expandir-regras-de-classificacao-etaria.shtml>. Acesso em: 1 nov 2018; Senti o luto de ver meu corpo morto na tela, diz coreógrafo de La Bête. Folha de S. Paulo, 8/3/2018. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/03/senti-o-luto-de-ver-meu-corpo-morto-na-tela-diz-coreografo-de-la-bete.shtml>. Acesso em: 31 out 2018; Em performance no MAM, criança interage com homem nu. Veja, 19/9/2017. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/entretenimento/em-performance-no-mam-crianca-interage-com-homem-nu>. Acesso em: 18 out 2018.

[←302]

Sobre a performance DNA de DAN, ver: Artista respeitado, Maikon K é preso por ficar nu em performance. UOL, 16/7/2017. Disponível em: <https://blogdoarcanjo.blogosfera.uol.com.br/2017/07/16/artista-respeitado-maikon-k-e-preso-por-ficar-nu-em-performance>. Acesso em: 18 out 2018.

[←303]

A concepção de Macaquinhos é de Caio, Mavi Veloso e Yang Dallas. A criação da performance é de Alzira Incendiária, Ana Carolina Pires, Andrez Lean Ghizze, Caio, Daniel Barra, Fernanda Vinhas, Luiz Gustavo Lopes, Rafael Amambahy, Renata Alcoba, Serguei Dias, Teresa Moura Neves e Yuri Tripodi. Sobre a performance, ver: Peça brasileira que causou polêmica com perscrutação anal irá à Alemanha. Folha de S. Paulo, 8/5/2016. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/colunas/ps-sp/2016/05/1768290-peca-brasileira-que-causou-polemica-com-perscrutacao-anal-ira-a-alemanha.shtml>. Acesso em: 2 dez 2018.

[←304]

Xereca Satânica fazia parte da programação de encerramento da disciplina “Corpo e Resistência”, do curso de Produção Cultural da UFF.

[←305]

Aluna de pós-graduação na Universidade de São Paulo, a performer foi diversas vezes ameaçada de morte, obrigando-a a mudar-se de endereço, de local de trabalho, sair das redes sociais, entre outras violências.

[←306]

Ver: Perigo real fez intelectuais e artistas se unirem contra Bolsonaro. Carta Capital, 24/9/2018. Disponível em: <https://www.cartacapital.com.br/politica/perigo-real-de-vitoria-fez-intelectuais-e-artistas-se-unirem-contra-bolsonaro/>. Acesso em: 13 dez 2018.

[←307]

Grupo de personalidades lança manifesto contra Bolsonaro. Veja, 24/9/2018. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/brasil/manifesto-contra-bolsonaro-democracia-sim/>. Acesso em: 2 dez 2018.

[←308]

Só 6 dos 20 artistas mais populares do Brasil declaram preferência na eleição. Folha de S. Paulo, 25/10/2018. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/10/so-6-dos-20-artistas-mais-populares-do-brasil-declaram-preferencia-na-eleicao.shtml>. Acesso em: 30 nov 2018.

[←309]

Grupos em redes sociais pedem boicote a artistas que se opuseram a Bolsonaro. Folha de S. Paulo, 30/10/2018.Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/10/grupos-em-redes-sociais-pedem-boicote-a-artistas-que-se-opuseram-a-bolsonaro.shtml>. Acesso em: 10 dez 2018.

[←310]

CPI da Lei Rouanet: NENHUM artista de esquerda é indiciado. Socialista Morena, 10/5/2017. Disponível em: <http://www.socialistamorena.com.br/cpi-da-lei-rouanet-nenhum-artista-de-esquerda-e-indiciado/>. Acesso em: 31 jan 2018; CPI da Rouanet termina com resultado positivo. Mídia Ninja, 15/5/2017. Disponível em: <http://midianinja.org/brantjoao/cpi-da-rouanet-termina-com-resultado-positivo/>. Acesso em: 31 out 2018.

[←311]

Vídeos da campanha #EleNão recebem enxurrada de ‘não gostei’. Folha de S. Paulo, 26/10/2018. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/09/videos-da-campanha-elenao-recebem-enxurrada-de-nao-gostei.shtml>. Acesso em 30 out 2018.

[←312]

Presidenciáveis lamentam incêndio no Museu Nacional e criticam gestão da cultura. O Globo, 3/9/2018. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/rio/presidenciaveis-lamentam-incendio-no-museu-nacional-criticam-gestao-da-cultura-23033564>. Acesso em: 1 dez 2018.

[←313]

Presidenciáveis chamam de ‘tragédia’ incêndio no Museu Nacional. UOL, 3/9/2018. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/agencia-estado/2018/09/03/ presidenciaveis-chamam-de-tragedia-incendio-no-museu-nacional.htm>. Acesso em: 4 dez 2018.

[←314]

‘Já está feito, já pegou fogo, quer que faça o quê?’, diz Bolsonaro sobre incêndio no Museu Nacional. G1, 4/9/2018. Disponível em: <https://g1.globo.com/politica/eleicoes/2018/noticia/2018/09/04/ja-esta-feito-ja-pegou-fogo-quer-que-faca-o-que-diz-bolsonaro-sobre-incendio-no-museu-nacional.ghtml>. Acesso em: 10 dez 2018.

[←315]

Críticas de Bolsonaro à Rouanet refletem ignorância sobre a lei, dizem artistas. Folha de S. Paulo, 4/10/2018. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/10/criticas-de-bolsonaro-a-rouanet-refletem-ignorancia-sobre-a-lei-dizem-artistas.shtml>. Acesso em: 12 dez 2018.

[←316]

‘Só toco berimbau’, diz ministro que chefiará Cultura sobre o que sabe do setor. Folha de S. Paulo, 28/11/2018. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/11/so-toco-berimbau-diz-ministro-que-chefiara-cultura-sobre-o-que-sabe-do-setor.shtml>. Acesso em: 2 fev 2018.

[←317]

Lei Rouanet: para além dos memes. Veja. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/especiais/lei-rouanet-para-alem-dos-memes/>. Acesso em: 12 jan 2019.

[←318]

Tudo sobre: Lei Rouanet. O Estado de S. Paulo. Disponível em: <https://tudo-sobre.estadao.com.br/lei-rouanet>. Acesso em: 12 jan 2019.

[←319]

Lei Rouanet: o mínimo que você precisa saber para falar do assunto sem passar vergonha. O Globo. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/cultura/lei-rouanet-minimo-que-voce-precisa-saber-para-falar-do-assunto-sem-passar-vergonha-23293997>. Acesso em: 12 jan 2019.

[←320]

Boicote a famosos que não apoiam Jair Bolsonaro seria grave se não fosse ridículo. Folha de S. Paulo, 2/11/2018. Disponível em: <https://f5.folha.uol.com.br/colunistas/tonygoes/2018/11/boicote-a-famosos-que-nao-apoiam-jair-bolsonaro-seria-grave-se-nao-fosse-ridiculo.shtml>. Acesso em 12/01/2019.